Instituto japonês publica versão de guia para governos ajudarem idosos com lixo

Acaba de ser lançada uma versão em inglês de um manual destinado a ensinar os velhos a cuidar do lixo – um problema sério no Japão, onde a tal cartilha foi lançada em 2017 pelo Instituto Nacional de Estudos Ambientais.
Na verdade, o Instituto se dedica ao tema desde 2012 e tem acompanhado os esforços dos governos locais, com entrevistas nos municípios onde existem programas de apoio exclusivos e entre as famílias de idoso na cidade de Tsukuba. O instituto separou os programas de apoio em dois tipos: os diretos e aqueles que envolvem a comunidade e acredita que esse tipo de ação pode melhorar muito não apenas as cidades, mas seus cidadãos mais velhos.

Ao ajudar os idosos a descartar resíduos, as prefeituras não estão apenas garantindo que o lixo tenha o destino correto, mas melhoram também a qualidade de vida e evitam o isolamento. Governos e empresas entrevistados disseram que as campanhas tornaram até mesmo os lixeiros idosos mais orgulhosos e envolvidos com seu trabalho.

A incapacidade de retirar o lixo pelos idosos pode levar a três consequências diferentes: a) armazenar o lixo em casa, b) retirar o lixo de forma inadequada e c) continuar retirando o lixo, apesar das dificuldades.

Os primeiros programas de apoio à coleta de lixo começaram em 2000 e em 2015, 23% dos governos locais japoneses ofereciam algum tipo de suporte à coleta de lixo comum, materiais recicláveis e resíduos volumosos. Tais programas estavam em vigor em 80% das grandes cidades, mas em menos de 10% do total de vilas e pequenos municípios.

Um guia simplificado de separação do lixo, distribuído entre os 80 mil moradores de Higashi-Yamato, na província de Tóquio, mudou os métodos de remoção do lixo, depois de ser definido como fácil de entender pelos idosos. Em Minamata, na província de Kumamoto, os idosos e pessoas com deficiência podem obter um adesivo que os isenta de fazer a separação de restos de alimentos e outros resíduos incineráveis.

Na cidade de Hino, na província de Tóquio, as famílias de idosos recebem caixas especiais para manter o lixo fora dos dias de coletas. Os idosos que vivem em condomínios com locais de coletas centralizados recebem adesivos para colocar em seus sacos de lixo, permitindo que eles sejam colocados nesses locais fora de hora.

Muitos governos locais que prestam assistência com a retirada do lixo também prestam assistência com a segregação de resíduos. Os lixeiros anotam as famílias idosas que não cumprem as regras de segregação do lixo e fazem isso depois da coleta.

O guia traduzido para o inglês está disponível neste link. Pode ser algo bom a ser copiado ou adaptado nas nossas cidades – que ainda estão, de modo geral, distantes de fazer até mesmo a mera separação entre reciclável e orgânico.